Investigação Paranormal Brasil: As assombrações da Mansão Baleroy

segunda-feira, 13 de março de 2017

As assombrações da Mansão Baleroy


A mansão Baleroy, localizada na área de Chestnut Hill na cidade da Filadélfia – Pensilvânia. Ela é considerada como uma das residências mais assombradas de todos os EUA. Diversos investigadores paranormais já voltaram as suas atenções para a histórica residência. Muitos investigadores de atividades sobrenaturais afirmam que a casa é infestada de fantasmas, demônios, gênios e uma imensa variedade de criaturas sobrenaturais. A casa pertenceu por muitos anos a George Meade Easby (03 de junho de 1918 - 11 de dezembro de 2005), bisneto do general George Meade, herói da Batalha de Gettysburg, durante a Guerra Civil Norte Americana.

História da casa maldita

A casa de 32 quartos foi construída em 1911. O proprietário era um carpinteiro que segundo as histórias a respeito da casa, teria sido assassinado dentro da residência por sua esposa. Depois disso a casa acabou sendo comprada pela família Easby em 1926. A família Easby era composta pelo banqueiro Stevenson Easby, que havia servido na primeira guerra mundial e considerado um herói de guerra. Stevenson era descendente de William Penn, um inglês considerado um dos patronos da província da Pensilvânia. Stevenson era casado com Henrietta Meade Grande Easby, neta general da guerra civil norte americana, George Meade. Stevenson e Henrietta tinham dois filhos, Steven e George.

Como se pode observar nas linhas acima, a família Meade Easby tinha origens importantes, e uma condição financeira privilegiada. Ao longo dos anos os Easby conseguiram juntar uma significativa coleção de peças históricas, incluindo alguns antigos pertences a importantes personagens da história, como Napoleão Bonaparte, George Meade, Thomas Jefferson e outros.


As assombrações da mansão Baleroy

Os irmãos George e Steven eram amigos inseparáveis, e costumavam passar grande parte dos seus dias brincando pela propriedade. Eles costumavam brincar perto de uma fonte, onde ambos ficavam atirando pedras na água, um tentando atingir o reflexo do outro. Certo dias em uma dessas brincadeiras uma coisa estranha aconteceu. Certo dia, George criou pequenas ondulações na água, após atirar uma pedra na fonte, ambos os garotos ficaram parados observando os reflexos de ambos que começavam a se recompor na água, mas apenas o reflexo de George se recompôs corretamente, ao invés do rosto de Steven aparecer na água, uma caveira pareceu se materializar onde deveria estar a face do menino. Pouco tempo depois Steven contraiu uma misteriosa doença, que não foi identificada pelo médico da família, e que acabou causando a morte do caçula da família Easby em 1931.

A partir desse momento, tanto os membros da família como os empregados, passaram a observar eventos incomuns. Ninguém tinha dúvida que tais eventos possuíam origem sobrenatural. Ao longo dos anos tanto os funcionários do local, como visitantes e até os moradores da mansão presenciaram várias vezes fenômenos “estranhos e sem explicação”.

Em 1962 foi a vez de Henrietta falecer, com 62 anos de idade. Stevenson faleceu aos 90 anos de idade no ano de 1969.


Depois da morte dos pais, George passou a viver sozinho na casa. Ele havia contratado algumas empregadas, mas nenhuma delas se dispunha a passar a noite no local. A rotatividade de empregados também era imensa, e a fama a respeito das supostas assombrações da mansão Baleroy começou a se tornar conhecida. O burburinho sobre supostos eventos do outro mundo parecia não importunar George, bem pelo contrário.

Em julho de 1992, a mansão Baleroy foi assaltada por um ladrão muito habilidoso. Estima-se que 202 mil dólares em antiguidades acabaram sendo levadas. O estranho foi que nenhum sinal de arrombamento foi encontrado no local.

A essa altura a fama a respeito das assombrações da mansão Baleroy já era considerável. Segundo essas histórias inúmeros espíritos diferentes habitam a residência. Várias pessoas afirmam ter visto Thomas Jefferson na sala de jantar a residência. Outro espírito vestido de maneira semelhante a um monge parece circular pelos quartos. Certa vez o fantasma de uma velha rabugenta atacou os visitantes com uma bengala, existem relatos de que ela costuma aparecer no corredor do segundo andar da casa.


George acredita que seu irmão é um dos fantasmas que habitam o lugar. Enquanto trabalhavam perto da fonte alguns homens contratados para trabalhar em uma restauração, ele avistaram, em uma janela de um dos andares superiores da casa, um menino loiro. Quando todos os homens estavam olhando o menino de vestimenta estranha, ele simplesmente desapareceu. Um dos trabalhadores desistiu de continuar o trabalho e fugiu do local.

Dias depois, os operários estavam trabalhando dentro da residência. O filho de um dos trabalhadores havia ido junto até o local e acabou ouvindo uma voz o chamar pelo nome. Pensando ser seu pai o garoto seguiu a voz, chegando até o porão. Quando o chegou ao porão o garoto percebeu que estava totalmente sozinho no local.

Certa noite quando George recebia alguns amigos na casa, por ocasião de um jantar, um barulho foi ouvido vindo da galeria onde os retratos da família estavam pendurados. George e seus convidados se dirigiram para o local, para investigar a causa do ruído, quando se depararam com o retrato de Steven no chão, a 4,5 metros do local onde ele costumava ficar pendurado.


Porém Steven não é o único membro da família que é visto nos arredores de Baleroy. Um tio de George e também sua mão já foram vistos. Passos barulhentos e portas batendo também fazem parte do repertório de eventos que já foram observados no local.

Existem também histórias sobre estranhos fenômenos elétricos na residência. Alarmes costumam disparar a noite. Raios também costumam cair na propriedade.

Em 3 de abril de 1999 a revista Inquirer publicou um artigo onde George Meade Easby conta alguns dos eventos estranhos que acontecem na sua casa. Ele conta que certa noite acordou com a sensação de que alguém estava segurando seu braço, mas quando ele ligou a luz não havia ninguém no local. Segundo George a pior sensação que ele tem na casa é de quando parece haver alguém fazendo pressão na cama, como se houvesse mais alguém deitado junto com ele.

O quarto azul e a cadeira da morte

Como vimos até agora muitas são as histórias contadas a respeito das assombrações na mansão Baleroy, e muitos são os supostos fantasmas que habitam o local, mas nenhum deles parece ser tão terrível quanto Amanda.

Um quarto chamado de “Sala Azul”, abriga um fantasma mal intencionado. A esse foi dado o nome de Amanda. Segundo as histórias ela reivindica uma cadeira especial que é guardada nessa sala, a cadeira da Morte. Quem se senta nessa cadeira acabaria morrendo em pouco tempo. A cadeira teria 200 anos de idade e teria pertencido a Napoleão. Algumas histórias a respeito do artefato afirmam que ele teria sido confeccionado por um bruxo.


Embora Amanda seja um dos casos de assombração mais conhecidos no local, ela, aparentemente, não possuía nenhuma relação com a casa e nem com a família Easby, tampouco o motivo pelo qual o fantasma de Amanda parece perseguir todos aqueles que se sentam na cadeira da morte.

Certa vez Amanda teria aparecido para um curador que administrada as relíquias mantidas na mansão, após ele ter se sentado na tal cadeira. Ele acabou falecendo menos de um mês após esse incidente.

Uma vidente que visitou a casa afirmou que Amanda não é má. Ela teria aparecido para o curador para avisá-lo que a morto estaria perto dele. Essa mesma vidente afirma que o falecido curador agora também está preso a casa.


Segundo documentos da "Chestnut Hill Historical Society" maldita cadeira já teria provocado a morte de quatro pessoas, três delas tendo morrido menos de duas semanas após terem sentado nela. George Easby teria declarado para aos autores do "Haunted Houses, EUA", uma senhora se sentou na cadeira uma certa vez, tendo falecido poucos dias depois. Um primo de George e Paul Kimmens, um amigo do dono da macabra residência, teriam sido as outras vitimas da cadeira da morte.

A atual situação da mansão Baleroy

Após a morte de George Meade Easby no dia 11 dezembro de 2005, uma batalha judicial se iniciou entre as partes interessadas na grande fortuna em peças históricas que é mantida na casa. Em 2008 as posses de George foram dadas a Robert Paul Yrigoyen. Em 09 de julho de 2012, Baleroy Mansion foi vendida depois de todos antiguidades foram vendidos em leilão ou doados a museus locais, contrariando a vontade de George que queria que as peças continuassem guardadas na mansão Baleroy.

Robert Paul Yrigoyen é esse senhor a esquerda
No dia 25 de Outubro George Meade Easby havia dado uma entrevista para o jornal local "Chestnut Hill". Nessa entrevista ele teria afirmado: "Depois que eu morrer, quero voltar parra assombrar a casa, pois sei que ninguém cuidará dela como eu gostaria".

Fontes: Noite Sinistra, Wikipédia, HubPages e Chestnut Hill Historical Society

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...